quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Relato - dia 28 de novembro de 2012


O grupo de hoje iniciou discutindo a questão da finalização do mesmo, no qual ocorrerá até o mês de janeiro de 2013. Após isso foram discutidas as últimas páginas do capítulo 2 do livro. Nestas, Vigotski traz a importância da distinção entre instrumento e signo. Neste ponto o autor traz a existência de uma analogia entre signo e ferramenta, porém tal não é de identidade. Seguindo nesta reflexão, o autor argumenta a existência de três teses fundamentais: “A primeira dessas teses se refere a semelhança e aos pontos de contato entre ambas formas de atividade; a segunda tese esclarece os pontos fundamentais de divergência e a terceira tenta assinalar a relação psicológica real entre uma e outra ou, ao menos, fazer uma alusão” (tradução livre, p.93). Partindo destas teses é possível afirmar que o empenho das ferramentas se configura como algo que gera modificação no objeto, na natureza, enquanto que o signo influiria no comportamento. Porém, ambos possuem a função de mediadores. O final deste capítulo também deixa a questão da importância tanto das ferramentas (material e instrumentos) quanto dos signos (instruções/técnica) para a construção de qualquer coisa.
Após finalizar o segundo capítulo, iniciou-se, como previsto, o capítulo 5, trazendo a importância da psicologia da Gestalt para este. O capítulo inicia-se com uma crítica aos conceitos de desenvolvimento até então desenvolvidos. Passando pela questão defendida durante a idade média e início da idade moderna da criança como “adulto em miniatura”, pelas noções da continuidade da história dos indivíduos e chegando a questão de Lamarck e Darwin, a qual será discutida de forma mais aprofundada no próximo encontro.
O próximo encontro foi agendado para o dia 19 de dezembro, 9:30h, no segundo piso da Faculdade de Educação (possivelmente na sala 244 ou na sala em frente), onde se dará prosseguimento ao capítulo 5 “Génesis de las funciones psíquicas superiores”, a partir da página 144.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Relato - dia 14 de novembro de 2012


No encontro de hoje, a professora Gisele fez uma retomada do que havia sido discutido sobre este texto até o momento. Torna-se relevante retomar a crítica que Vigotski sobre a psicologia, que ou tenta “macaquizar” o homem ou “humanizar” o macaco, se prendendo em questões puramente biológicas e genéticas negligenciando a questão da formação social e cultural deste. Também foi recolocada a questão da deficiência como algo importante para refletir sobre o desenvolvimento psíquico e a questão da Psicologia Geral. Esta psicologia, para Vigotski, deve proporcionar um método, articulando o que é comum aos homens. Ela deve fazer uma reflexão dialética sobre a própria psicologia, trazendo a questão do descompasso entre o biológico e o social.
Também foi retomada a questão da comunicação, na qual pode haver em alguns animais, porém de uma forma mais simples, enquanto que o homo sapiens possui uma comunicação mais complexa, uma linguagem. Para tal questão, Vigotski coloca a visão de S-R, na qual nos animais ocorre de forma passiva, enquanto que no humano é algo extremamente ativo. O ser humano trabalha ativamente na elaboração de signos linguísticos. Aprimorando, a medida que se desenvolve, as formas de se comunicar, tanto com outrem quanto consigo mesmo.
O ser humano possui uma natureza ativa dos vínculos formais do desenvolvimento, sendo que a cultura atua como uma regulação para a criação do comportamento. Neste ponto é possível colocar que a marca da psicologia de base marxista é a preocupação com o monismo, assim, há uma continuidade entre cultura e desenvolvimento humano. Sendo que uma criança é um sujeito de instintos e cabe aos pais (representantes da cultura onde esta nasceu) restringir alguns destes instintos. Tal ação proporcionaria a regulação externa dos comportamentos desta criança, para que concomitantemente ela internalize tal cultura e atue sobre ela. Recorrendo a neuropsicologia é possível colocar que o momento em que as crianças atuam mais movidas pelos instintos é por volta dos 5 e 6 anos, época em que ocorre o pico de crescimento dos lobos frontais (parte do cérebro responsável pela inibição dos instintos).
Por fim, foi colocado que Vigotski é um autor da personalidade e do desenvolvimento da linguagem, algo mais amplo do que unicamente o psicólogo da educação, o qual ele é considerado.
No encontro de hoje não foi possível finalizar o capítulo 2, porém para o próximo encontro pretende-se um fechamento deste e o início do capítulo 5 (pag. 139-168). O próximo encontro foi marcado para o dia 28 de novembro, 9:30h, no segundo piso da Faculdade de Educação (possivelmente na sala 244 ou na sala em frente).

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Relato - dia 31 de outubro de 2012


Neste encontro percorremos, guiados pela Prof. Gisele, da página 52 até a 84 do capítulo 2. Entre os temas centrais levantados, é possível mencionar que Vigotski segue discutindo a questão do S-R que está presente em todas a psicologias até aquele momento criadas e criticando o reducionismo presente nestas. Tal ideia naturaliza a psicologia e trata-se somente de uma classificação do que é científico e o que não o é.
Um dos autores que anunciaram ruptura desta ideia foi Pavlov, que trouxe uma concepção diferente de linguagem humana, determinando-a como um conjunto de códigos que diferem o homem do animal.
Entretanto, a questão da linguagem para Vigotski, diferentemente de Pavlov, é um conjunto de signos que exercem papel central na aquisição de novos comportamentos, possibilitando a determinação de sentidos para a realização das ações humanas.
Outro tema discutido no encontro foi que Vigotski não negligência a infância, porém, este autor também não torna-a determinante. Para Vigotski, para compreender o desenvolvimento humano há a necessidade de compreender o âmbito genético, o funcional e o estrutural. E tais âmbitos se relacionam de diferentes formas nos diferentes momentos da vida humana, podendo possuir a mesma função, mas não o mesmo sentido, a mesma estrutura.
Finalizando o encontro foi retomada a questão das diferentes vias de estímulos que os homens possuem em seu meio e o comportamento que é gerado por estas vias. Semelhante a Psicologia Pedagógica, mas não igual, Vigotski defende que em meio a um empasse de emoções e escolhas o homem dar sentido aos estímulos buscando decidir-se.
O próximo encontro foi marcado para o dia 14 de novembro, 9:30h, no segundo piso da Faculdade de Educação (possivelmente na sala 244 ou na sala em frente). Pretende-se finalizar o capítulo 2 (pág. 84-96) e iniciar o Capítulo 5 (pag. 139-168).

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Aviso - Reunião do dia 24 de outubro remarcada pra o dia 31 de outubro

Bom Dia,

em razão do feriado do dia 24 de outubro a reunião marcada para este dia será remarcada para o dia 31 de outubro, às 10hrs, no segundo andar da faculdade de educação, prosseguindo a leitura do segundo capítulo a partir da página 52.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Relato - dia 26 de setembro de 2012


Hoje realizou-se o último encontro do grupo do primeiro semestre de 2012. No encontro iniciou-se o capítulo dois de “La história del desarrolho de las funciones psíquicas superiores”, progredindo até a página 52 . Um dos pontos centrais da discussão foi o método em Marx, que é um dos focos de pesquisa de Vigotski. Para Marx, segundo Vigotski, o trabalho é central para a vida dos sujeitos. Ele se funda a partir das funções mais básicas, que necessitam da relação para serem cumpridas. Assim, o trabalho teria como base as relações que os sujeitos estabelecem.

Durante o grupo também discutiu-se a forte presença de Wundt no livro, sendo que  Vigotski dialoga com este sempre quando se refere à “velha psicologia”,  que também engloba a reflexologia. Também há o dialogo com a “nova psicologia”, que pode ser identificada com a psicologia da Gestalt e o behaviorismo americano.  No segundo capítulo há uma critica sobre a manutenção da estrutura “estímulo-resposta” em ambas, nova e velha psicologia.

O próximo encontro do grupo foi marcado para o dia 24 de outubro, às 10hrs, no segundo andar da faculdade de educação, prosseguindo a leitura do segundo capítulo a partir da página 52.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Relato - Dia 19 de setembro de 2012



Após o período de greve, houve a retomada das atividades do grupo de estudos. Em um primeiro momento discutiu-se a situação do grupo, sua permanência e a questão das frequências. Seguindo, a professora Gisele fez um breve apanhado sobre o livro e as discussões deste, trazendo como um dos pontos centrais a diferença deste, no que tange ao conceito de estrutura para o desenvolvimento do comportamento dos sujeitos, do livro anteriormente trabalhado no grupo “Psicologia Pedagógica”.  Neste texto, Vigotski trabalha com filogênese, história social do comportamento e ontogênese, colocando a interação destas como o que mobiliza o desenvolvimento da personalidade dos sujeitos e que possibilita a constituição das funções psíquicas superiores (formas superiores de conduta).
Esta temática ocupa as páginas finais do primeiro capítulo do livro trabalhado, junto com a questão da criança portadora de deficiências, a questão dos sistemas de atividades e do homem primitivo. No encontro de hoje finalizou-se o primeiro capítulo e foi marcado o próximo encontro para às 10h, no dia 26 de setembro, no qual iniciará o capítulo 2 e se discutirá as atividades do grupo no segundo semestre de aulas.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Aviso – Retomada das atividades do grupo no dia 19 de setembro.



Boa tarde!!

Com o final da greve dos professores e técnicos administrativos da UFG, retomaremos às atividades do nosso grupo de estudos.
A reunião ocorrerá no dia 19 de setembro, proxima quarta, às 10h00, no segundo andar da Faculdade de Educação.  Teremos como pauta a avaliação e planejamento para o segundo semestre do grupo e a finalização do capítulo 01 do Tomo III das Obras Escogidas, capítulo iniciado antes do começo da greve.  Havendo a possibilidade de iniciarmos, também, o capítulo 02 da mesma obra.